Página Inicial > Board Games, Notícia > Zumbis estão chegando no Brasil com a Peste Negra!

Zumbis estão chegando no Brasil com a Peste Negra!

blog header

A Galápagos Jogos começou hoje a venda da nova versão da franquia de sucesso Zombicide. O Zombicide: Black Plague pega a já consagrada mecânica dos outros 3 jogos e traz para um cenário fantasioso e medieval. Saem as escopetas e serra elétrica, entram os feitiços e fogo de dragão.

Lançado em Dezembro de 2015 no mercado internacional após uma extremamente bem sucedida campanha no Kickstarter, onde se consagrou como a campanha mais bem sucedida para um jogo de tabuleiro (posto que hoje é do Dark Souls, por sinal), ele chega no Brasil pelo preço base de R$ 399,90. Mas afinal, o que muda neste Zombicide com relação aos outros?

——————————————————————————————————————————————————–
ZOM201_CoverZombicide: Black Plague
Jogadores: 1 – 6
Tempo Médio: 60 – 90 Minutos
Mecânicas: Rolagem de Dados, Cooperativo, Tabuleiro Modular
Categoria: Terror, Fantasia
Designers: Raphaël Guiton, Jean-Baptiste Lullien, Nicolas Raoult
———————————————————————————————————————————————————

Para os que já acompanham a série Zombicide, pouquíssima coisa mudou. A quantidade de heróis inicial continua sendo a mesma, os tipos dos zumbis continuam sendo os mesmos (com uma adição da qual já iremos falar) e os objetivos das missões continuam sendo, em sua essência, os mesmos. Porém existem pequenas mudanças em regras que fazem com que o jogo tenha um feeling bastante diferente do que o comum.

TL;DR: Caso prefira, eu dou um geral no jogo e suas mudanças aqui no meu canal do YouTube.

Para começar, eles mudaram a polêmica regra do ataque a distância. Agora, não é mais 100% de certeza que se você usar uma arma a distância em uma zona com um sobrevivente, você vai primeiramente atingir este sobrevivente. Eles agora consideram que os heróis tem uma mira melhor, e você só acerta o sobrevivente se a rolagem no dado de ataque falhar.  Particularmente falando, essa é a maior (e melhor) mudança, e foi ela que me fez adquirir o jogo em sua versão de Kickstarter.

Outra mudança considerável é o fato que para abrir portas, agora você precisa rolar o dado de ataque para isso. A menos que você já tenha encontrado um machado. Isso faz com que nosso grupo brinque bastante dizendo que nossos maiores inimigos na idade média são as portas. As vezes é bem frustrante você estar correndo de uma horda de zumbis e se ver cercado porque, bem, não conseguiu arrebentar uma porta depois de 6 espadadas ou marteladas.

Outra grande diferença é a possibilidade de defesa. Dentre os itens que você pode encontrar estão armaduras e escudos, e se você se equipar com um desses itens você não mais toma um dano automático quando um zumbi ativar na mesma zona que você. Nesse caso, você rola um dado de defesa e, se tiver sucesso, conseguiu defender e não toma nenhum dano. Isso causa momentos heroicos como um sobrevivente saltando no meio de outros 5 zumbis para tentar defender os golpes e dar mais uma chance de vida ao sobrevivente que certamente morreria ali. Também vale lembrar que agora quando você toma dano, você não perde um espaço para item. Você tem um marcador e um espaço específico para o dano, fazendo com que seu controle de itens seja mais fácil.

itens

No que diz respeito aos sobreviventes, a última mudança que eu diria é que jogo agora tem alguns feitiços, já que estamos em um cenário de fantasia na idade média. São feitiços de cura, de invisibilidade, de velocidade, entre outras coisas. Mas o importante mesmo são as bolas de fogo e raios de eletricidade nos zumbis! 🙂

Mas vamos falar agora dos zumbis. Eles mudam muito pouco. Na verdade, os zumbis em si não mudam nada. O Spawn continua sendo feito na base do saque de cartas, os corredores continuam tendo duas ativações e a Abominação continua assustando apenas pelo tamanho. O problema é que agora os Zumbis são controlados por um Necromante, que aumenta consideravelmente a horda ao reviver os mortos das ruas cheias de cadáveres pela peste negra. Nas cartas de Spawn dos zumbis agora existe uma carta de Double Spawn, que faz com que no próximo ponto seja sacada duas cartas de zumbis ao invés de uma. Ou seja, você terá muito mais corpos para derrubar!

zumbisMas vamos falar do Necromante. O Necromante é um ser especial. Diferente dos zumbis, que estão sempre atrás de matar os sobreviventes, o Necromante quer apenas continuar seu plano maligno. Quando ele aparece, ele adiciona mais um ponto de spawn de zumbis e já vem com uma escolta. Nas ativações dele, ele não vai atrás dos sobreviventes, ele somente busca uma outra saída para fugir do mapa. Se ele conseguir, esse ponto de spawn que ele trouxe vira um ponto de spawn fixo, e se o jogo tiver 6 pontos de spawns fixos no tabuleiro em algum momento, os sobrevivente perdem automaticamente.

Basicamente, essas são as mudanças. O resto do jogo continua o mesmo. Você continua com as habilidades sendo ativas de acordo com o nível do seu personagem, e com o aparecimento de zumbis dependendo do sobrevivente que estiver no maior nível. Você continua tendo que achar e trocar itens para sobreviver. Porém, tudo isso agora é controlado elegantemente com um dashboard plástico que deveria (e tenho certeza que será) copiado por todos os outros jogos da Cool Mini or Not a partir de agora. O gerenciamento dos itens com este dashboard é muito mais fácil, sem dificuldade para saber que cartas estão nas mãos ou na mochila e com muito mais facilidade para saber quais habilidades já estão habilitadas ou não.

dashboard

Mais disso, por favor!

Eu costumo dizer que eu nunca comprei um Zombicide antes porque eu não sou muito chegado na temática zumbi, e embora quando eu tenha jogado eu tenha gostado bastante do jeito que o jogo desenrola, aquela coisa de ataque a distância acertar obrigatoriamente o amigo me desanimava profundamente. O Black Plague para mim corrige esses dois pontos: Eu adoro a temática medieval e fantasia (hey, sempre que eu puder ser um mago tacando bola de fogo, eu serei um mago tacando bola de fogo!) e  arrumaram a regra de ataque a distância (eu sou contra “regras da casa”). Mas mesmo assim eu devo dizer que não acredito que as mudanças no jogo foram grandes o suficiente para mudar a opinião de quem já tem uma bem formada sobre Zombicide. Se alguém não gosta do jogo, se acha o jogo cansativo e simples demais, se acha que não tem muita variedae e etc, não vai ser com o Black Plague que vai gostar. A não ser que seja igual o meu caso, onde só o tema me fazia não comprar.

E para quem gosta muito do Zombicide e coleciona, vale um adendo também: Devido as mudanças na regra e no cenário e nas armas… aquela coisa de misturar um Zombicide com outro fica muito prejudicada no Black Plague. Diferente dos outros Zombicides, não é altamente recomendado e incentivado que você crie um cenário misturando os itens do Black Plague com os itens dos outros jogos situados no mundo moderno. Entendo como isso pode ser um ponto contra para quem coleciona, por isso resolvi citar. Mas é claro que com criatividade suficiente, vocês podem justificar essa mistura e criar regras aceitáveis, certeza. Apenas não me chamem pois, como já falei, eu sou contra “regras da casa” 🙂

De resto, podem esperar vários extras, muitas caixas de heróis, de zumbis, novas temporadas, novas expansões, etc… etc… Enfm, o de sempre!

Então é isso. Ajudem os heróis a proteger nossas florestas dos Zumbis maldosos!

Protejam o Brasil

Abraços!
Johnnymaxx